Com se dá a relação entre fé e razão na obra de Santo Agostinho?

Esta não é uma compreensão adequada do modo como Agostinho procura estabelecer a relação entre fé e razão. A fé autêntica necessita conhecer por razões que a sustentem e não se contenta com o puro fideísmo, em que se crê sem qualquer necessidade de que haja um fundamento para a crença. Uma postura equivocada diante dos escritos agostinianos é a de procurar um fundamento para a fé sem que haja, na mesma medida, uma compreensão adequada da razão, da linguagem e da moral. O fato de que encontramos uma teologia capaz de iluminar os desdobramentos do conhecimento não significa que se pode falar de um fideísmo em sua obra, mas, pelo contrário, de uma filosofia que vai de encontro com a história da humanidade, os seus fundamentos e o conhecimento acumulado. Chegar à fé é antes uma atividade que exige das pessoas capacidade de perguntar-se e de oferecer razões para aquilo em que depositam a sua fé.