Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Tai chi diminui sintomas de Parkinson

Prática chinesa beneficia o equilíbrio e a força muscular, proporcionando maior controle do sistema motor

pcdazero / Pixabay / CC0 Creative Commons

Pesquisa constata maior eficácia do tai chi em relação a alongamentos e treinos de resistência

Não é fácil encontrar um tratamento indolor e sem efeitos colaterais para o mal de parkinson. Por esse motivo, a ciência tem pesquisado métodos que possam aliviar os sintomas trazidos pela enfermidade. Alongamentos e treinos de resistência já haviam mostrado bons resultados para o sistema motor dos pacientes. Um estudo divulgado na revista New England Journal of Medicine1 revelou que a prática do tai chi chuan pode atingir melhoras mais significativas nos sintomas da doença.

A doença de Parkinson é caracterizada por uma perda progressiva dos movimentos. Isso ocorrem em razão da degeneração e morte de neurônios que controlam a transmissão dos comandos vindos do córtex cerebral para os músculos do corpo humano. Por aumentar o equilíbrio dos pacientes e fortalecer a musculatura, a prática do tai chi chuan mostrou-se positiva para o tratamento dos sintomas do mal de parkinson.

Resultados surpreendentes

O estudo baseou-se na seleção de 195 portadores da doença de Parkinson que apresentavam comprometimento do sistema motor, mas conseguiam andar e ficar em pé. Eles foram divididos em três turmas, sendo que cada uma delas recebeu um programa de atividades físicas: tai chi chuan, treinos de resistência ou alongamento.

As três turmas analisadas na pesquisa frequentaram as atividades físicas recomendadas para o tratamento dos sintomas de Parkinson durante seis meses. Por duas vezes na semana, uma turma frequentou aulas de tai chi chuan; outra frequentou sessões de alongamento; e a terceira participou de treinos para aumentar a resistência física.

Os resultados foram surpreendentes. Conforme os parâmetros estabelecidos na pesquisa, os participantes que fizeram tai chi chuan demonstraram equilíbrio duas vezes melhor do que o grupo de treinamento de resistência e quatro vezes melhor do que o grupo que fez alongamentos. Ao contabilizarem as quedas e os desvios ao longo de trajetos estabelecidos, os pesquisadores contaram números de duas a quatro vezes menores para aqueles que fizeram as aulas de tai chi chuan.

A prática também fortaleceu a musculatura envolvida no equilíbrio, o que resultou em taxas menores de degeneração do sistema motor. “Estes resultados são clinicamente significativos porque sugerem que o tai chi, um exercício de baixo ou moderado impacto, pode ser usado como um auxiliar nas terapias físicas usadas atualmente para tratar de alguns problemas-chave no Mal de Parkinson, tais como instabilidade da postura e no andar”, comenta o médico Fuzhong Li, integrante do grupo de pesquisadores do estudo.

Abrangência da doença

Estima-se que 1% dos indivíduos com idade acima de 65 anos tenha Parkinson, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Existem de 150 a 200 doentes em cada 100 mil habitantes, segundo o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas, publicado em 20102. Se dividirmos a população por faixas etárias, 80% dos casos ocorrem entre os 60 e os 75 anos, o que relaciona a maior incidência da doença com a velhice. Porém, há 10% de casos que aparecem antes dos 45 anos, como aconteceu com o ator norte-americano Michael J. Fox, que descobriu a doença aos 37 anos de idade.  

Sintomas de Parkinson

Os resultados de tratamentos alternativos são melhores em fases iniciais da doença. O problema é que 50% dos portadores só descobrem que são vítimas do mal de parkinson em estágios avançados. Os primeiros sintomas podem aparecer como um cansaço ao final do dia, a caligrafia pode se tornar menos legível ou a fala pode se tornar mais arrastada. Podem ocorrer lapsos de memória, dores musculares e outros indícios facilmente confundidos com estresse.

À medida que a enfermidade avança, um braço ou uma perna podem perder movimentos e os primeiros tremores aparecem. Geralmente, é apenas nesse estágio que as pessoas procuram ajuda profissional. 

Fotos: Steven Depolo/ Flickr: stevendepolo/ CC BY 2.0; Anna Carol/ Flickr: anna carol/ CC BY 2.0; Luigi Scorcia/ Flickr: saggio cialtrone / CC BY 2.0   ​

 


Veja também:
Tai chi chuan pode melhorar o equilíbrio
Vitamina D para doenças autoimunes
Exercícios de respiração do Tai Chi Pai Lin

Referências

  1. LI, Fuzhong; HARMER,Peter; FITZGERALD,Kathleen; ECKSTROM, Elizabeth; STOCK, Ronald; GALVER,Johnny; MADDALOZZO, Gianni; BATYA, Sara S. Tai Chi and Postural Stability in Patients with Parkinson’s Disease. The New England Journal or Medicine. Disponível em:<http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMoa1107911#t=articleTop> Acesso: 30 de ago de 2013
  1. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas: Doença de Parkinson, 228, de 10 de maio de 2010. (Republicada em 27.08.10) Disponível : <http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pcdt_doenca_parkinson_livro_2010.pdf >Acesso: 30 de ago de 2013