Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Aprenda a valorizar sua beleza natural

Ativistas debatem o consumo e ensinam a produzir itens básicos de higiene pessoal com ingredientes caseiros

Pexels / Pixabay / CC0 Creative Commons

Existem novas formas de cuidar da beleza sem abrir mão dos itens de cuidados pessoais

Quem costuma frequentar supermercados provavelmente já deve ter reparado na quantidade de prateleiras destinadas a exibir as mais variadas propostas da indústria de cosméticos. É comum se deparar com um corredor inteiro – muita vez, até mais do que isso – repleto de promessas que vão desde o rejuvenescimento instantâneo à eliminação milagrosa de celulites, cicatrizes e espinhas.

Dada a enorme quantidade de opções, é praticamente impossível analisar todos os rótulos e entender os riscos e benefícios oferecidos em cada produto. Esse quadro produziu movimentos e ativistas que buscam repensar nossa relação com o consumo. Para a psicóloga e ativista italiana Margherita Forgione, por exemplo, esse tipo de questionamento é fundamental quando se fala em consumir com o objetivo de alcançar um formato “livre de agressão ao meio ambiente aos animais e às pessoas”. A partir dessa ideia, ela propõe: “experimente começar a produzir, você mesmo, o necessário para sua manutenção, incluindo os produtos de higiene e cuidado pessoal”.

Para ela, o excesso de informações e promessas desnecessárias significam que o consumo, visto como até então como essencial, tornou-se um exagero. Um dos maioreis desafios atuais é pensar formas mais inteligentes e harmoniosas de manutenção da vida sem deixar de consumir aquilo que realmente precisamos. Ser mais sustentável significa criar uma nova relação com o consumo e questionar os padrões estabelecidos pela mídia e a indústria da beleza.

Cosméticos naturais

Nas palestras, cursos e oficinas que ministra, como a que ocorreu no Centro Cultural São Paulo, Forgione ensina que produzir pasta de dente, desodorante, shampoo e sabonete utilizando somente ingredientes sustentáveis e econômicos não é apenas uma atitude possível, mas algo simples e que deveria ser acessível a todos.

Oficina de cosméticos naturais no Centro Cultural São Paulo

“Apesar de pequena, essa é uma ação necessária e importante dentro de uma cadeia de outras ações que ajudam as pessoas serem mais independentes do mercado e da indústria”, diz Forgione. Participante ativa do Movimento per la Decrescita Felice, de Padova (Itália), há alguns anos, ela dedica parte de sua militância a ministrar, gratuitamente, oficinas de confecção caseira de itens de uso diário, como alimentos, produtos de limpeza, higiene pessoal e beleza, ou – como prefere dizer – direciona seu trabalho ao ensino da “autoprodução”.

Autoprodução é um termo econômico que significa, segundo Forgione, “produzir o suficiente para suprir as necessidades do consumo”. Dentro da cosmetologia natural, ela aponta alguns produtos que, além de serem considerados “verdes” por não agredirem a natureza, suprem as necessidades de higiene e bem-estar do corpo humano.

A cada preparação finalizada, a italiana coleta e anota informações compartilhadas pelos presentes. Todas as oficinas do projeto “É possível ser feliz decrescendo?”, do qual a autoprodução faz parte, buscam incentivar a plena participação de todos os envolvidos. “Essa é outra coisa que eu gosto muito no meu trabalho. Eu vivo uma aproximação com os seres humanos, com a natureza quando dou oficinas ao ar livre, com a simplicidade”, pontua Forgione.

Quais são as vantagens?

Assim como Margharita, Monaliza Soares, farmacêutica por formação e artesã de cosméticos verdes por paixão, acredita que usar um produto natural, como o próprio termo sugere, “é uma forma de estar em contato com a natureza, com seus ciclos e uma forma de cuidar dela”. Para Soares, é importante também ressaltar aspectos como a biodegrabilidade dos seus componentes e embalagens, evitando qualquer tipo de ação que prejudique o meio ambiente.

O processo produtivo quase sempre manual dos cosméticos verdes é o que Fefa Pimenta, também artesã de cosméticos naturais, destaca e considera como uma terapia eficaz. “Estamos do lado do conceito de pessoas que fazem cosméticos para pessoas”, diz. Nesse aspecto, sua colega de profissão, Soares, emenda: “acaba sendo uma extensão de um estilo de vida, que inclui alimentação, relação com as pessoas, respeito à natureza". Para ela, o pano de fundo de seu trabalho é o "questionamento de um modelo capitalista que estimula um consumo desenfreado".

Questionadas sobre as dificuldades para produzir cosméticos e outros produtos em casa, Soares e Pimenta concordam que quem dá preferência a uma forma de cuidado mais orgânica, livre de produtos químicos e testes em animais terá mais trabalho e enfrentará uma gama de opções consideravelmente menor. Porém, segundo elas, esse esforço vale a pena.

Oficina de cosméticos naturais no Centro Cultural São Paulo

A chamada “beleza verde” ou “cosmetologia natural”, embora cada vez mais presente em lojas (on-line e físicas) e feiras especializadas, ainda não chegou às prateleiras dos hipermercados e redes de farmácia. “Temos um acesso muito restrito em termo de Brasil a certos ingredientes naturais das formulações, principalmente para quem produz artesanalmente, e isso acaba por enfraquecer a produção em menor escala”, analisa Pimenta.

Monaliza Soares complementa que apesar de ter menor competitividade em relação aos preços dos cosméticos industrializados, a opção natural atende um público mais sensível, que valoriza a forma como eles são feitos. “O produto artesanal ainda tem esse diferencial, de ser feito em lotes pequenos, com carinho”, ressalta.

Movimento do decrescimento feliz

Forgione acredita que esse movimento é também uma reação às consequências da crise econômica. “A Itália viveu um período de consumismo excessivo há dez, vinte anos atrás, mas agora, com a crise, as pessoas precisam criar soluções”, analisa. “Na Europa, por muito tempo foi propagado um estilo de vida baseado na política de bem-estar apenas pautada pelo cenário econômico”, diz, emendando em seguida que, para ela, o mesmo mecanismo deveria ter outro significado.

Não vejo o bem-estar como algo econômico, não depende de quando dinheiro você tem, mas de outras coisas e de como você ocupa seu tempo, por exemplo, quanto tempo você gasta falando com seus amigos, sua família

Quanto ao bem-estar, Forgione é muito clara: “não vejo o bem-estar como algo econômico, não depende de quando dinheiro você tem, mas de outras coisas e de como você ocupa seu tempo, por exemplo, quanto tempo você gasta falando com seus amigos, sua família e, claro, da importância que você dá para essas coisas.”

Quando chegou Brasil, há cinco meses, para concluir o doutorado em biopsicologia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, deu início à sua participação no projeto “É possível ser feliz decrescendo?” que englobou oficinas, palestras e rodas de conversa sobre sustentabilidade, consumo e contato com a natureza. Quatro dias antes de retornar a Europa, questionada se, de fato, “É possível ser feliz decrescendo?”, sua resposta vai além do sim. “Decrescer pode ser sinônimo de um enorme crescimento pessoal”, afirma, com serenidade.

Que tal anotar as receitas e começar, você mesmo, a produzir pasta de dentes, desodorante e, até mesmo, sabonete corporal com ingredientes 100% naturais?

Pasta de dentes (100 gramas)

- 4 colheres de sopa de argila branca
- 2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
- 2 colheres de chá de folhas de hortelã e álvia desidratadas e moídas
- 3 gotas de óleo essencial de cravo para conservação

Para utilizar, basta depositar o produto sobre a escova de dente com o auxílio de uma colher e umedecê-la antes de levar à boca.

A partir de óleos essenciais e bicarbonato de sódio, ela ensina, também, uma forma orgânica de evitar a transpiração excessiva, e explica os benefícios: “enquanto o óleo de sálvia possui ação desodorante, o tea tree, conhecido por ser um antibiótico natural, evita a proliferação de bactérias no local”, confira:

Desodorante natural caseiro (100 gramas)

- 2 colheres de sopa de argila branca
- 2 colheres de amido de milho
- 15 gotas de óleo essencial de sálvia
- 15 gotas de óleo essencial de tea tree, também chamado no Brasil de óleo de melaleuca
- 2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio

Para realizar ambas as receitas, misture tudo até que todos os componentes formem um pó seco e homogêneo. Tanto o desodorante quanto a pasta de dente duram até seis meses se conservados em um pote de vidro fechado e evitando o manuseio constante.

Para quem quer se aventurar nos shampoos, Margherita Forgione compartilha outra receita orgânica:

Shampoo orgânico (100 ml)

- 1 xícara de bicarbonato de sódio
- ½ xícara vinagre de maçã
- 2 colheres de sopa de azeite de oliva
- 3 xícaras de água filtrada
- 10 gotas de óleo essencial de rosas, lavanda ou camomila

Dica: prefira embalagens de vidro ou recicle outras antigas para armazenar.

Foto 3: Moema Costa
Fotos 1 e 2: Beatriz Almeida


Saiba mais sobre o que rolou no evento:
Você sabe como surgiu a Virada Sustentável?
Abertura oficial apresenta projetos contra o racismo
A poderosa meditação kundalini criada por Osho