Fundamentos

Relação entre fé e razão: os elementos imprescindíveis da filosofia tomista (de São Tomás) são reflexões eminentemente cristãs: o criacionismo, a imortalidade da alma, as verdades bíblicas e os evangelhos desdobrando-se em uma concepção de história linear e transcendente em oposição àquela cíclica da temporalidade do pensamento clássico.

Nessa relação entre fé (teologia) e razão (filosofia), há uma modificação substancial que rejeita a cisão averroísta entre a verdade da revelação e a verdade da filosofia, colocando-as em uma mesma chave para solucionar o problema da revelação.

Tomás de Aquino compreende haver uma única verdade e entre ambos os domínios há os preâmbulos da fé (a existência e a unidade Divina). Cada campo tem a sua particularidade, método e objeto de conhecimento: a filosofia ocupa-se das verdades naturais, alcançadas pela luz da razão e a teologia das verdades reveladas apenas pela da luz divina.

Tomismo e aristotelismo: Assim como para Aristóteles, a metafísica tomista é a ciência do ente enquanto ente, ou seja, a ciência das primeiras causas e dos princípios do ser. Ela aceita a teoria das quatro causas de aristotélicas, a teoria da substância e a teoria do ato e potência. A necessidade de introduzir o cristianismo, conciliando as verdades da fé e as do mundo sensível, levou-o a formular os três pilares teóricos na divisão entre essência e existência:

Possibilidades

veja mais sobre o tema