Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Receitas

Chef Rafaela Schiavinatto ensina como fazer um ceviche vegano

Saiba mais sobre

Natal do consumo ou da celebração?

Christian Dunker explica como as épocas festivas criam uma reflexão sobre a mercantilização das tradições

Kevin Dooley / Flickr: Christmas from the present's perspective / CC BY 2.0

A crítica vazia à alienação e ao consumismo dos outros reflete uma falta de compreensão dos próprios problemas

Há um grande valor negativo que organiza nossa política de criação e educação: a recusa ao consumismo. Em tempos nos quais é difícil saber exatamente como queremos que nossos filhos sejam, podemos nos agarrar ao consenso de que não queremos vê-los alienados, vinculados a estereótipos de consumo ou personificados como seres interesseiros que fazem tudo por um objeto. Façamos uma distinção preliminar: o consumo é um fenômeno universal que se opõe ao processo de produção, associando-se ao uso de um objeto e satisfação que este provê.

O consumismo é uma atitude diante a vida que mede e compara nossas aspirações de felicidade na capacidade de adquirir objetos, possuir bens e praticar escolhas de compra que acompanham a tendência do momento. A separação é semelhante à que existe entre o indivíduo, forma não coletiva de existência, e o individualismo, conjunto de valores e práticas que se consagram no cultivo da identidade, propriedade e amor-de-si.

Consumir é bom ou ruim?

Inventar uma forma de educar, de viver e de amar que não esteja baseada em presentes e recompensas tornou-se uma preocupação crescente. Com o declínio de grandes narrativas que organizavam o sentido de nosso trabalho e de nosso sacrifício, tornou-se cada vez mais difícil justificar formas de vida que não estejam orientadas pelo pragmatismo dos resultados, pelo utilitarismo do consumo e pela abundante e excessiva, ligação entre amor, respeito e autoridade, com práticas de consumo ou posse de objetos. Ou seja, o consumismo parece uma atitude ruim ainda que adequada para nossa época.

As datas de consumo, como Páscoa para chocolates, dia das crianças para brinquedos, aniversário para o presente “especial” e Natal para a mistura de todos os anteriores, são o momentos nos quais examinamos com maior detalhamento nossa atitude diante do consumo. Isso ocorre porque supostamente são momentos nos quais devemos olhar para nossa própria vida e a dos que nos cercam como algo mais do que um amontoado de trocas vantajosas orientadas para uma finalidade útil. São datas que intercalam uma suspensão na lógica da produção e consumo e nos fazem perguntar se há algo mais do que trabalho e lazer em nossa experiência mundana.

Foto tirada com a câmera na altura de um piso de madeira com presentes de Natal próximos a alguns móveis
Dar presentes na época de Natal é um ato de bondade ou um hábito arraigado de consumo?

Nada mais estéril e pobre do que o discurso ressentido de que o Natal é uma invenção da Coca Cola e por isso o Papai Noel é vermelho e branco e não verde e marrom, como o St. Nikolaus dos europeus. Um verdadeiro natal germânico ou eslavo envolve semanas de preparação, cerimônias preparatórias aos domingos que antecedem o evento (Advent), momentos meditativos no dia de Reis, montagem de presépios, pequenas peças teatrais e ensaios musicais, sem falar na leitura de extensos volumes sobre a tradição. Não sei se aqueles que reclamam do trabalho de montagem de uma árvore e do tempo de preparo de um peru, estariam realmente dispostos a dedicar-se ao trabalho de retorno a uma contracultura como esta, supostamente mais original.

Muita vez esta atitude de denúncia da alienação reflete apenas a auto-recriminação de quem acha que deveria ter ganhado mais dinheiro, ou o ressentimento que atribui o próprio insucesso ao triunfo dos outros. Para os cristãos, o Natal do consumo nega ponto a ponto os valores originários do cristianismo: altruísmo (e não a cobiça com os presentes), sobriedade (e não a ostensão de árvores, luzes e enfeites), a felicidade imaterial gerada pelo amor como renúncia (e não a o prazer material com prazeres terrenos), o individualismo e concorrência entre diferentes modalidades, mais ricas ou mais pobres de convivialidade (e não a comunidade de iguais e fraternos diante do Senhor).

Percepção de si

Os consumistas viveriam em estado de falsa felicidade, gerada pelo apego a valores transitórios. Ora, os que denunciam a alienação natalina, muitas vezes praticam um natal por procuração, porque afinal os filhos querem ou precisam deste teatro. Ora, se você faz árvore, tem a ceia, reúne a família e troca presentes, sendo você um consumista ou não, você acredita em Natal. A crença não são seus sentimentos íntimos, suas boas intenções, ou a suas ideias geniais sobre como o mundo deveria ser. A crença é o que você faz. Portanto, se você faz Natal, você acredita em Natal.

Muitos que combatem a alienação consumista argumentam que não precisam de datas especiais, inventadas pelo comércio, para mostrar seu amor pelos entes queridos. Na mesma linha argumentarão que os ritos são formas de alienação e que as reuniões de família são chatas, isso quando não misturam perigosamente bebida e ressentimentos arqueológicos entre irmãos, pais, primos e assemelhados. Nada mais alienante do que denunciar a alienação sem reconstruir suas razões, causas e motivos. A saída da alienação se dá pelo reconhecimento do desejo que lhe deu causa. Não adianta odiar a alienação dos outros, aliás, a presença do ódio sugere que ela está casando com a sua alienação.

Compreensão do significado

Chegamos assim ao que poderia ser um antídoto mais poderoso diante das seduções e apelos consumistas. Em vez de demonizá-lo ou combatê-lo, como se fosse um inimigo poderoso, e em vez de aceitar a derrota em nome do bem-estar da colmeia, é necessário colocar o consumo em seu lugar. E nesse caso, o sentimento que melhor lhe cabe é a indiferença. Afinal, não é assim que aqueles que têm distância suficiente para ver o conjunto da vida com mais clareza, ou seja, os idosos, se relacionam o consumo?

Em vez de demonizá-lo ou combatê-lo, como se fosse um inimigo poderoso, e em vez de aceitar a derrota em nome do bem-estar da colmeia, é necessário colocar o consumo em seu lugar. E nesse caso, o sentimento que melhor lhe cabe é a indiferença.

A indiferença relativa ao objeto, nos diz que no fundo o consumismo é uma banalização de nosso prazer. A indiferença relativa ao contrato, no assegura que apostamos na capacidade de autonomia e juízo para distinguir interesses em situação de consumo. A indiferença diante das ilusões realistas ou idealistas nos salvaguarda contra nossa alienação do processo de consumo. Ninguém deveria ser considerado a mais ou a menos pelo padrão de consumo que mantém, pelo tipo de marca na qual se aliena, nem pelo tipo de prazer que prefere. O que o consumo diz sobre alguém deveria ser pensado como uma espécie de espelho de como esta pessoa trata seus sonhos. Sonhos podem se tornar pesadelos quando são tratados como metas, objetivos e finalidades. Podem ser insonsos quando vividos solitariamente ou meras expressões de um desejo pendente no dia anterior. Eles podem mover ou até mesmo acabar com o mundo.

O paradoxo do consumismo pode ser resumido na declaração de um congressista americano, na década de 1920, quando se discutia a proibição do consumo de vinho, nos primórdios da lei seca: “se você está chamando de vinho esta substância que faz as pessoas exaltarem-se, libertando suas piores disposições agressivas, fazendo a pessoa degradar e humilhar sua própria família ou envergonhar seus entes mais queridos, sou completamente contra a venda de vinho. Mas se por vinho devemos entender esta substância que nos torna mais alegres e nos aproxima de outras pessoas, como na comunhão, servindo de pretexto para que velhos amigos se encontrem e famílias se reúnam, sou totalmente a favor da venda do vinho.”

Fotos: Till Westermayer / Flickr: tillwe / CC BY 2.0; Alan Cleaver / Flickr / CC BY 2.0