Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

A visão tibetana para doenças crônicas

Médica Tenzin Lhundup explica que nessa abordagem a má digestão é a raiz de males como diabetes

Patrícia Spier

Tenzin Lhundup: "Vamos procurar manter uma dieta de boa qualidade, sem exageros na quantidade"

Para medicina tradicional tibetana, a alimentação inadequada e consequente indigestão está na raiz de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes, gota, artrite e trombose. Quem explica é a pesquisadora Tenzin Lhundup, professora do Instituto de Medicina e Astrologia Tibetana (Men-Tsee-Khang)1 em Dharamsala, Índia.

Lhundup, que também é médica do sowa rigpa, sistema de medicina tradicional tibetano, veio ao Brasil para o 4º Simpósio Internacional de Medicinas Tradicionais e Práticas Contemplativas, promovido pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em parceria com a Associação Palas Athena, que o NAMU acompanhou.  

Influenciado pelas práticas terapêuticas indianas e oriundo de uma sociedade rural, esse sistema tem como fundamento prevenir e remediar os males do corpo humano com base na compensação dos desequilíbrios causados pela relação desigual entre elementos internos e externos.

A digestão tem papel fundamental na manutenção do equilíbrio. O processo é baseado no calor digestivo, responsável por retirar não apenas os nutrientes como também a "essência" dos alimentos no processo da digestão. Quando há má digestão crônica, surgem doenças como lepra, edemas, ascite, envenenamento e desordens do baço, explicou Lhundup. 

"Vamos procurar manter uma dieta de boa qualidade, sem exageros quantidade, e manter horários regulares para comer", ressaltou a médica. 


A indigestão pode ser causada pelo excesso de comida oleosa, doce ou salgada. Prefira as integrais

Humor frio e pesado

Para os médicos tibetanos, a indigestão é causada pelo excesso de bad-kan, um dos três humores ou princípios de função que devem estar em equilíbrio no corpo. Esse humor tem natureza pesada e fria. 

A indigestão também pode ser causada por consumo exagerado de comida doce ou salgada, com natureza oleosa, fria e pesada. Expor-se por tempo prolongado ao ambiente frio também destrói o fogo digestivo. 

Algumas pessoas correm mais risco de sofrer com o mal: aquelas com constituição corporal fria, que ingerem grande quantidade de alimentos com os quais não estão acostumados ou alimentam-se de comidas incompatíveis com o seu tipo físico.

Para restabelecer o equilíbrio

Estão menos expostos à indigestão os adultos, pessoas física e verbalmente ativas, com alto poder digestivo e pessoas acostumadas com comidas oleosas ou incompatíveis com seu tipo físico.

Entre as dezenas de métodos terapêuticos para a indigestão aguda, estão fitoterapia, exercícios, banhos medicinais, retirada de sangue, dietas restritivas e terapias de calor, como a moxabustão.

A medicina tradicional tibetana possui ligações profundas com a prática budista - o médico prescreve meditação para pacientes adeptos da prática, por exemplo. A perspectiva holística da medicina contempla aspectos astrológicos para o tratamento correto de doenças. E a tradição compreende que os males do corpo são causados por fatores amplos, como o clima, disponibilidade de alimento, sexo, idade2.  

Foto: Mumumío / flickr: Pan y cereales de Flor de Cereales / CC BY 2.0


Mais sobre o simpósio:
SUS já oferece acupuntura e homeopatia
A medicina indígena e do candomblé 
O poder da meditação segundo a ciência

Referências

1 - LHUNDUP, T.; LHADON, L.; DORJEE, P.; SANGMO, R.; PANDEY, R.M.; LHAMO, S.; TSERING, S. e Efficacy and Safety of Traditional Tibetan Medicine in the Treatment of Essential Hypertension. Research and Reviews: AJournal of Medicine, Noida, v. 3, n. 3, p. 21-33, fev. 2013. Disponível em: < http://www.stmjournals.com/index.php?journal=RRJoM&page=article&op=view&path%5B%5D=4149>. Acesso em: 26 maio 2014.

2 - Sarsina, P.R.; Ottaviani, L.; Mella, J.; Tibetan medicine: a unique heritage of person-centered medicine. The EPMA Journal, Londres, v. 2, n. 4, p. 385-389, nov. 2011. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3405412 >. Acesso em: 27 maio 2014.