Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Medicina integrativa grátis em São Paulo

Práticas complementares como yoga e acupuntura são oferecidas nas unidades básicas de saúde da capital paulista

Shutterstock

Especialistas da Secretaria Municipal de Saúde falam sobre a implementação de terapias integrativas no SUS

Com o passar do tempo, a busca por uma medicina prática e objetiva, praticada como se as pessoas e seus problemas de saúde fossem todos iguais, se tornou a regra na área da saúde. Esse modelo, principalmente da relação que produz entre os profissionais do setor e os pacientes, está esgotado. Hoje, no entanto, chegou o tempo em que a sociedade parou para enxergar que as práticas medicinais integrativas são fundamentais para o bem-estar real da população e, cada vez mais, outras formar de enxergar a medicina e o cuidado com o próximo chega aos hospitais e centros de atendimento

Ainda que muitas vezes, o tom de inovação contradiga com a realidade dessas práticas milenares que fazem parte da cultura e dos costumes dos povos tradicionais de todos os continentes. Em busca de prevenir e tratar os pacientes da maior metrópole da América do Sul, profissionais da secretaria de saúde municipal de São Paulo implementaram no início da década de 2000 diversas práticas oferecidas gratuitamente à população de todas as regiões da cidade.

“Faz 15 anos que começamos a implantar de forma maciça as práticas integrativas no SUS de São Paulo”, diz Emílio Telezi, médico sanitarista que trabalha na Secretaria Municipal de Saúde.  Segundo Telezi, no início da implementação foram adicionadas apenas terapias da medicina tradicional chinesa, mas posteriormente o projeto se expandiu, incluindo também outras modalidades como homeopatia, yoga e práticas da medicina antroposófica.

“Hoje 90 % das nossas unidades básicas de saúde oferece algum tipo de prática  e isso é ótimo pois amplia o leque de opções terapêuticas”, diz Adalberto Kiochi, médico especialista em acupuntura que faz parte da gestão dessas práticas na pasta da saúde. “Isso faz com que os tratamentos não sejam apenas olhadas pela medicina alopática,  postura medicamentosa e focada em diagnósticos laboratoriais.

Incentivo e trabalho de cooperação

Os profissionais que atendem nas unidades de saúde que oferecem as práticas espalhadas pela cidade recebem capacitações regulares para que as atividades sejam desenvolvidas com aperfeiçoamento e dedicação. Entre as formações, a meditação e prática de atenção é cursada na Associação Palas Athena.

“Eu acho que essas práticas ainda são pouco divulgadas, principalmente pelos médicos” pontua Beatriz Wallenstein, instrutora de yoga do Centro de Convivência de Santo Amaro. Ela diz que quando o médico orienta o paciente a fazer uma das práticas, ele vai. Se for algum outro profissional que recomende isso ele não toma como uma coisa importante. Eu acho que devia ser mais divulgado entre os médicos porque dá mais credibilidade ao nosso trabalho.

"As práticas são fundamentais na unidade onde eu trabalho e  estamos vivendo um momento muito especial de melhorar o acolhimento dos pacientes", diz Sueli Aparecida da Silva, instrutora de lian gong e tai chi pai lin na UBS Jardim Ipanema, no bairro Jaraguá. Ela explica que para fazer uma escuta qualificada com o público é preciso estar em harmonia consigo mesmo e as práticas meditativas permitem melhor concentração e atenção com o próximo. 

Adesão depois dos 50

“Para nossa surpresa, desde o começo da implantação das práticas integrativas, a adesão dos servidores públicos municipais aconteceu rapidamente”, conta Telezi. Segundo ele, quando se trata da faixa etária dos beneficiados, grande maioria do público têm acima de 50 anos. O especialista pontua que isso acontece porque é nesse momento da vida que surgem doenças crônicas e tratamentos sem medicamentos promovem alívio e auxilia diretamente os pacientes.


Sites com a lista dos endereços onde são oferecidos gratuitamente as medicinas tradicionais, homeopatia e práticas integrativas em saúde em São Paulo: 

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/CENTRO.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/OESTE.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/LESTE.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/NORTE.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/SUL.pdf

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/SUDESTE.pdf