Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Últimos Acessos

Saiba mais sobre

Diversidade na Chapada dos Veadeiros

Em Goiás, Encontro de Culturas Tradicionais reúne etnias indígenas, quilombolas e atrações musicais

Vanessa Cancian

A Aldeia Multiétnica é uma parte do Encontro que promove a integração com a cultura indígena

O Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros é realizado há 14 anos na vila de São Jorge, distrito de Alto Paraíso, cidade localizada a 270 km de Brasília. O evento reúne atrações musicais de diversas partes do Brasil, comunidades indígenas e quilombolas da região ou de outros lugares.

Por meio de apresentações, oficinas, rodas de prosa e trocas de saberes entre o público e os participantes, o festival valoriza a interação entre as diferentes manifestações da cultura popular brasileira. Nesse ano, ele acontecerá de 19 de julho a 2 de agosto.

A abertura e os festejos especiais da Aldeia Multiétnica começam hoje - 21 de julho - na Vila de São Jorge. Nesse ano estarão presentes grupos dos Fulni-ô e dos Kayapó/Mebêngôkre e representantes dos Yawalapití, Truká, Wauará, Kamayurás, Kariri-Xocós e Krahô.

Tudo junto e misturado

Durante os dias de evento, o pacato distrito de São Jorge se transforma em um cenário multicultural. Turistas brasileiros e estrangeiros passam pelo local, aproveitando as férias de julho, para trocar histórias e experiências com os protagonistas do Encontro. Nas pequenas praças da vila, atrações espontâneas também acontecem a todo momento, o que faz do lugar um palco constante de intercâmbio cultural. Músicos, vendedores de artesanatos e viajantes preenchem as ruas da vila e aproveitam a movimentação para promover seus trabalhos.

O que é a Aldeia?

Uma parte significativa da programação do evento se concentra na Aldeia Multiétnica. Organizado desde 2007, o espaço congrega diversas etnias indígenas que, durante os dias de evento, ficam acampadas nesse local. As atividades visam a interação entre as tribos e promovem troca de experiências e debate.

Sediada em um ambiente que reproduz o habitat natural dos índios, a Aldeia contribui para a quebra de preconceitos dos visitantes e motiva debates e discussões capazes de influenciar políticas públicas voltadas para as comunidades indígenas, explica Renato Acha, assessor de imprensa do Encontro. "Esse movimento tem proporcionado importantes ganhos sociopolíticos e culturais aos povos participantes, e ao público, a oportunidade única de interação e conhecimento profundo sobre os modos de vida indígenas", destaca o assessor.

Renato pontua a troca e o respeito que há na Aldeia: " Nessa parte do evento, há um intenso processo de intercâmbio artístico, cultural, político e social. O contato é de extremo respeito e de valorização da cultura indígena, que resulta na elevação da autoestima e do orgulho de pertencimento dos povos participantes"

A Chapada e os cristais

Tudo isso acontece num cenário de natureza exuberante. A vila, que possui cerca de 500 habitantes, abriga o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Com uma grande quantidade de cachoeiras, rios e paredões, o local atrai turistas o ano todo.

 

Durante muitos anos, a vila de São Jorge e outras cidades da região foram polos de mineração de cristal. Na década de 1990, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) interrompeu as atividades para conter a degradação da biodiversidade local, o que transformou a região em um centro de atração do ecoturismo.

Localizada no paralelo 14 sul de latitude - o mesmo do território considerado sagrado de Machu Picchu, no Peru - e somada à intensa presença de cristais, a Chapada tornou-se conhecida pelo turismo místico que atrai comunidades alternativas de diversas partes do Brasil e do mundo.

Fotos: Vanessa Cancian