Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Cultura indígena no centro do Brasil

Evento valoriza e reúne etnias indígenas em um país que desconhece suas próprias origens

Vanessa Cancian

Membros da etnia fulni-ô, de Águas Belas, Pernambuco, se apresentaram na 8ª Aldeia Multiétnica

A 14ª edição do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, que aconteceu na vila de São Jorge - distrito de Alto Paraíso (GO), reuniu etnias indígenas e quilombolas com a finalidade de construir horizontes mais promissores para a diversidade cultural brasileira. Parte importante do evento aconteceu dentro da chamada Aldeia Multiétnica, palco para rituais, debates e danças entre os dias 21 e 26 de julho. 

Aldeia da diversidade

A Aldeia Multiétnica valoriza e centraliza a realidade indígena de um país que desconhece suas próprias origens. Representantes fulni-ô, kayapó, yawalapiti, truká, krahô, wauará, kamayurá, xavante e kariri-xocó estiveram presentes nessa edição. "A troca entre diferentes etnias e povos  acentua a ideia do encontro em torno da cultura como elemento que une pessoas, sons, cores e sabedoria popular", destaca Renato Acha, assessor de imprensa do evento. 

Andresa Ugaya, professora e pesquisadora de cultura brasileira na Universidade Estadual Paulista (Unesp), esteve pela primeira vez no evento e ressalta: "A Aldeia facilita o encontro de diferentes povos, o que contribui para uma maior percepção e compreensão sobre as diferenças e semelhanças ente as culturas indígenas em nosso país”. Ugaya pontua também a importância de trocar experiências com as comunidades indígenas em um local onde eles se sentem confortáveis para expor suas ideias, problemas e situações. 

O assessor Renata Acha acredita que o momento proporciona maior compreensão e entendimento de que os índios devem ser vistos como irmãos: "Isso ajuda a afastar a ideia de algo tão distante e exótico", sentencia.

Império Kalunga começa a festa

As apresentações de diferentes grupos musicais e culturais do Brasil tiveram início no dia 26 de julho e serão finalizadas dia 2 de agosto. Programadas em diferentes lugares da vila de São Jorge, atividades com música, dança e teatro compõem a programação diversificada do Encontro. 

Dentro de um contexto brasileiro de troca e miscigenação, visitantes, quilombolas e indígenas participaram juntos do ritual de abertura oficial das festividades. A celebração teve início com o levantamento do mastro do Divino - que tradicionalmente abre o Encontro. Para animar os visitantes, rezas, músicas e danças foram executadas pela comunidade quilombola kalunga que contagiou de alegria os presentes. O evento já está no final, mas o legado de valorização da nossa cultura ecoa até julho do ano que vem, quando acontece a próxima edição do Encontro.  

Para pensar: o canto das três raças

A maioria dos eventos que compõem a programação cultural de diversas cidades brasileiras celebram, em sua maioria, manifestações de origem africana ou europeia - ou mesmo relacionadas à fusão dessas duas raízes. No entanto, são raros os momentos os quais tradições das etnias indígenas aparecem em evidência no palco da cena cultural brasileira.

Após a repressão e dizimação da cultura indígena durante os anos de colonização portuguesa, os costumes e saberes dos donos da nossa terra quase desapareceram do imaginário do povo brasileiro. Esse distanciamento fez com que o indío fosse colocado como um ser mitológico e folclórico, lembrado apenas no remoto 19 de abril. É preciso reverter esse quadro. 

Para saber mais

A cobertura completa do evento de 2014 e as outras edições pode ser acompanhada no site do Encontro (1). 

Fotos: Vanessa Cancian