Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Últimos Acessos

Saiba mais sobre

Correr faz bem para o cérebro

Estudo mostra que exercícios beneficiam áreas ligadas ao controle da pressão sanguínea e respiração

John Steven Fernandez/ Flickr: John Steven Fernandez/ CC by 2.0

Sedentarismo aumenta o risco de pressão alta e problemas cardíacos

Ser sedentário pode remodelar o seu cérebro, segundo estudo norte-americano (1) publicado no Journal of Comparative Neurology. É conhecimento geral que a atividade física pode criar novas células cerebrais e até mudar o modo como o cerébro funciona, a nova descoberta é que não praticar exercícios físicos além de não ajudar, pode trazer complicações para o sistema nervoso.

Em pesquisa, cientistas notaram mudanças em determinados neurônios. As alterações podem ser responsáveis pelo aumento do risco de desenvolver pressão alta e problemas cardíacos.

A experiência feita com ratos foi conduzida na Wayne State University School of Medicine. Os animais foram divididos em dois grupos: um que praticava corrida e outro, sedentário. Os roedores presos com rodas correram cerca de três horas por dia, enquanto os outros não desempenharam nenhuma atividade. 

Após três meses, analisou-se os neurônios que controlam o sistema nervoso simpático, responsável por regular, por exemplo, a pressão sanguínea e a respiração .

Verificou-se que os neurônios dos ratos ativos mantiveram-se normais, porém, os animais que não se movimentaram desenvolveram ramificações nessas células o que as tornou mais sensíveis à estimulos. Os cientistas sugerem que essas modificações, estruturais e funcionais, podem elevar, por exemplo, o risco de doenças cardiovasculares.


Veja também:
Nem todo mundo nasceu para correr
Doenças do coração são as que mais matam no Brasil
Exercícios nos deixam mais inteligentes?

Referências

  1. MISCHEL, NA;LLEWELLYN-SMITH, IJ; MUELLER, PJ.  Physical (in)activity-dependent structural plasticity in bulbospinal catecholaminergic neurons of rat rostral ventrolateral medulla. Journal of Comparative Neurology. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24114875> Acesso 21 de fev de 2014.