O que é

A filosofia kantiana é considerada uma filosofia crítica. Investiga os limites do homem: sobre o que ele pode conhecer (na metafísica), o que pode fazer (na moral e no direito) e àquilo que pode aspirar (na teologia). Kant é um dos entusiastas e expoentes da tradição do iluminismo. Seu projeto de crítica da razão é uma tentativa de emancipação da razão humana em seus limites metafísicos, éticos e religiosos. A crítica racional é uma atividade teórica e prática.

A teoria das faculdades kantianas, da sensibilidade e do entendimento, é a divisão que resulta nas formas de conhecimento do homem. São as formas puras da consciência (intuições puras a priori) que tornam um fenômeno possível. A partir delas o entendimento pensa e estabelece relações racionais entre os fenômenos. A solução das antinomias kantianas pela analogia é o modo como esse pensador procura vincular verdades do entendimento e verdades das ideias da razão. São as ideias transcendentais que servem de fundamento racional para a reflexão humana, capaz de articular diferentes juízos sobre as coisas. A universalidade da razão é uma triagem entre o que ela apreende e o que ela julga.

A universalidade da razão é a possibilidade da crítica de si própria e seu desenvolvimento é o exercício das faculdades da consciência. É o destino do ser humano desenvolver a razão e a busca da liberdade para o cultivo das possibilidades de uso dessa razão. A história tem o seu fim nesse progresso social, que almeja alcançar a paz e o cosmopolitismo, propiciando às pessoas o exercício pleno e contínuo de suas próprias capacidades.

Para pensar

Considerando a busca de uma coerência interna na estrutura de conceitos e noções, é satisfatória a passagem entre o mundo da percepção e o da razão na filosofia kantiana?

Uma crítica geral e importante sobre a filosofia kantiana é a de que ela não teria sido capaz de articular de forma coerente a reflexão com o conhecimento intuitivo, porque nela não se poderia encon...

VEJA MAIS

Possibilidades

veja mais sobre o tema