O que é

Apesar de soar como uma tautologia, é necessário constatar que a filosofia judaica é toda produção intelectual feita por pensadores judeus e, portanto, influenciados pela cultura, pela tradição oral e por obras como a Torá, o Talmude e os Midrash. Porém, o mesmo termo pode ainda se referir a uma linha de estudos que faz uma reflexão filosófica sobre o judaísmo ou então representa uma forma de fazer filosofia que enfatiza questões judaicas.

Dessa maneira, é possível afirmar que a filosofia judaica surgiu nos textos de Filon de Alexandria, no século 1, mas também podemos dizer que a mesma filosofia judaica é bem mais antiga, pois sempre esteve presente nos textos bíblicos. Polêmicas à parte, Filon foi inegavelmente quem primeiro tentou conciliar o pensamento bíblico à tradição filosófica grega. Essa prática se repetiu em inúmeros outros pensadores judeus.

Segundo intelectuais como Julius Guttmann (autor do clássico A Filosofia do Judaísmo), a filosofia é algo externo aos judeus. Ela veio de fora. Dessa forma, a história da filosofia judaica seria também uma história de anexações de ideias forâneas, estrangeiras.

No entanto, como o judaísmo é uma tradição que se baseia na interpretação dos livros sagrados. De certa maneira, é possível dizer que essa mesma tradição de interpretar textos está presente no período helenístico; na Idade Média – quando a filosofia penetrou os trabalhos dos intelectuais judeus que viviam no âmbito da cultura do islã, principalmente em al-Andaluz –; e em trabalhos de pensadores modernos como Eric Auerbach (1892-1957) e Walter Benjamin (1892-1940). 

Possibilidades

Filosofia da Educação

veja mais sobre o tema