O que é

A meditação judaica se caracteriza por um processo de interiorização devocional, também feita na forma de oração, em que os objetivos principais são o contato com Deus, a elevação espiritual e o profundo entendimento dos textos sagrados, ou dos estudos cabalísticos. De forma geral, seria uma forma equilibrada e controlada de lidar com os pensamentos e discernir como se deseja direcionar a mente em um período de tempo.

Não há uma maneira judaica única de praticar a meditação. Existem vários métodos que vão desde simples substituições de pensamentos mundanos por reflexões mais elaboradas, até as meditações mais sofisticadas em que a pessoa atinge um estado mais elevado de consciência e percepção. Nesse contexto judaico, a meditação é mais relevante quando associada às práticas ritualísticas e aos mandamentos da Torá, que, dessa forma, são vistos como instrumentos de meditação, capazes de levar a pessoa a um alto nível de consciência de Deus. A meditação judaica pode se referir a várias práticas tradicionais, como a visualização intuitiva e a recitação de orações, até combinações esotéricas dos nomes divinos (os 72 nomes de Deus) e análises intelectuais e filosóficas de livros sagrados (como textos e ensinamentos cabalísticos, bem como a Torá e um livro místico chamado Tanya, considerado “A lei escrita da filosofia hassídica”).

Possibilidades

veja mais sobre o tema