Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

São Paulo tem a chance de acabar com o cruel comércio de peles e foie gras

Sociedade Vegetariana Brasileira ganha apoio de celebridades na campanha que almeja aprovação do projeto de lei 537/2013

Campanha SVB

Encerra-se nesta quinta-feira, 25 de junho de 2015, o prazo para o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), aprovar ou vetar o projeto de le 537/2013, que proibirá o comércio de foie gras (patê de fígado de gansos ou patos produzido com requintes de crueldade) e artigos de vestuário feitos com peles de chinchila, raposa, coelho e outros animais. A sociedade civil organizada está mobilizadajuntamente com a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB), a defensora dos animais Luisa Mell, além de outras importantes figuras públicas e instituições para garantir que o prefeito assine a lei.

"O prefeito tem de decidir nessa semana se milhões de patos e gansos merecem ser submetidos a uma das maiores crueldades já inventadas pela humanidade ou se finalmente será proibido em nossa cidade o foie gras e toda sua maldade estúpida", afirmou Luisa Mell.

Gansos forçado a se alimentar

O foie gras é uma produto feito a partir do fígado inchado de gansos e patos que são criados e mortos com requintes de crueldade. Os animais são forçados a ingerir uma dieta hipercalórica por meio de um tubo inserido no esôfago. Os criadores repetem exaustivamente esse procedimento para que o fígado do animal cresça de forma exagerada até 10 vezes mais do que o normal.

Por ser gritantemente cruel, o foie gras já foi proibido em outros lugares, como no estado da Califórnia (Estados Unidos), em Israel, na Alemanha, na Noruega, na Inglaterra, na Argentina, na Índia e em outros países. No Brasil, o decreto-lei 24.645, de 1934, proíbe engordar aves mecanicamente, mas o produto continua a ser comercializado em restaurantes luxuosos de São Paulo. Fernando Haddad tem, em sua mesa, a chance de mostrar para São Paulo e para o Brasil que essa prática cruel deve ser abolida.

Campanha #foisgrasnao

"O que está em jogo é o maior respeito aos animais. É uma grande chance de dar um passo modesto, mas muito importante na eliminação de algumas das formas mais gritantes de maldades contra animais, práticas que seriam consideradas criminosas se realizadas com cães ou gatos, por exemplo. Trata-se, sobretudo, da vida de animais que devem deixar de ser torturados todos os dias, dentro e fora do Brasil, para alimentar o luxo sádico de meia dúzia de fregueses de restaurantes e lojas de roupa caras. O prefeito não tem apenas uma caneta na mão para assinar o projeto. Ele maneja a faca que esfola o coelho vivo e o cano que é enfiado goela abaixo do ganso que já não aguenta mais comer. Se o projeto for vetado, a cidade de São Paulo perde uma grande chance de ser um exemplo de civilidade e respeito mínimo para com os animais que usamos e abusamos como objetos", argumentou Guilherme Carvalho, secretário executivo da Sociedade Vegetariana Brasileira.

A Ordem dos Advogados do Brasil (Seccional São Paulo) também se manifestou sobre o caso ao entregar à Prefeitura um parecer que demonstra a constitucionalidade, legalidade e pertinência do projeto. São Paulo tem a competência e a chance de simplesmente fazer o que é certo: coibir atos cruéis contra os animais.

Você pode ajudar bastante nessa na luta. Basta assinar a petição da SVB na plataforma Change.org pedindo o fim dessas práticas em Sampa. Aproveite e siga a campanha na página do Facebook.


Os textos publicados nessa seção não traduzem necessariamente
a opinião do Portal NAMU. A função dessa área é estimular o debate
sobre questões que sejam relevantes para os nossos leitores.

 

Veja também:
Por que ser vegetariano?
Aris LaTham e a dieta vegetariana