Namu é

Conheça mais sobre o NAMU

Saiba mais sobre

Cuidados e hábitos saudáveis contra a depressão

O quinto artigo da série mostra quais são as alternativas para prevenir e tratar a doença de forma mais sadia

julien haler / Flickr / CC BY 2.0

Os tipos de depressão muito geralmente não são percebidas por quem tem o problema. É muito comum que o indivíduo considere seus sentimentos como uma tristeza um pouco mais demorada ou uma irritação mais acentuada. Muitos sintomas são confundidos com problemas de fraqueza, anemia ou estafa.

Alguns cuidados devem ser tomados pela família, amigos e pessoas mais próximos de uma vítima dos sintomas da depressão para que o diagnóstico correto e o tratamento adequado ocorram o quanto antes e evite consequências mais graves. Além disso, praticar exercícios e ter uma alimentação balanceada podem evitar o aparecimento ou o agravamento da doença.

Morar sozinho

Há uma tendência maior de aparecimento de depressão em pessoas que moram sozinhas, pois dificilmente alguém conseguirá lhes apontar mudanças de comportamento, como estar triste ou desanimado.

Isso retarda a busca por tratamento psicológico ou psiquiátrico e pode agravar sintomas já aparentes. Para evitar que isso aconteça, deve-se ficar atento às mudanças de atitudes e exercitar comportamentos mais sociais por meio de conversas sobre sentimentos e percepções. Muitas vezes, um apontamento feito com carinho e respeito pode fazer toda a diferença para quem está se sentindo depressivo.

Permitir-se ficar triste

Atualmente existe uma grande tendência de condenar a tristeza como um sentimento próprio de pessoas fracassadas, mal sucedidas e incapazes. Ela é uma condição como outra qualquer e quando nos permitimos ficar tristes, chorar e vivenciar a melancolia, fica bem mais fácil superá-la. O mais importante é saber que o objetivo não é se afundar em dores e se autodestruir. O ideal é absorver da tristeza o aprendizado que ela pode nos trazer e saber que essa permissão para ficar triste, com ou sem causa conhecida, favorece o amadurecimento e a conquista de um comportamento mais integrado, criativo e produtivo.

Cobranças incoerentes

Muitas pessoas, especialmente os amigos de alguém com sintomas da depressão, costumam acreditar que incentivos e cobranças como “Reaja! Não se entregue à tristeza”, ou “Vamos sair, nos divertir e esquecer os problemas!”, ou ainda “O seu problema é que você não sai de casa. Vamos à uma festa e dar risada que isso vai passar!” são eficientes.

Na verdade, pressões e cobranças desse tipo, absolutamente incoerentes com os sentimentos da pessoa com depressão, servem somente para deixá-las ainda piores e com a sensação de que a solução é simples e elas é que não conseguem se sentir melhores. A depressão é uma doença que não se cura com piadas, baladas e, menos ainda, com o consumo de bebidas alcoólicas, cigarros ou qualquer outro tipo de entorpecente. O único modo de melhorar é ter consciência de seus sentimentos e procurar ajuda especializada sem ter de lutar contra si mesmo.

Exercícios: antidepressivos naturais

Já é sabido que a prática de exercícios físicos é extremamente benéfica para a saúde. Uma rotina de atividades físicas executada três vezes por semana, durante uma hora por dia, começando com aquecimento e terminando com alongamento ajuda a aumentar os níveis cerebrais de endorfina, um antidepressivo natural. É possível evitar e amenizar o aparecimentos dos sintomas da doença nos casos de reação depressiva breve e prolongada, por exemplo. Yoga, natação, caminhada, dança e artes marciais são algumas atividades físicas indicadas para pessoas com depressão ou predisposição à doença.

Contato com a natureza

O ritmo de vida das grandes cidades ajudou a deixar de lado a importância do contato com a natureza, seja passear em parques, tomar banho de cachoeira, olhar o mar, pisar descalço sobre a terra, entre outras atitudes simples e acessíveis. Observar as formas, sentir os aromas, interagir com as diferentes sensações que a natureza pode nos provocar são maneiras extremamente benéficas de restaurar o equilíbrio de todos os níveis do ser.

O contato com as cores vibrantes da natureza e a claridade do Sol, por exemplo, são estímulos ao bem-estar e à alegria genuína. Nos países em que o inverno é muito prolongado e escuro, o índice de pessoas com depressão aumenta significativamente. O ideal é que cada pessoa reconheça sua preferência possa desfrutar mais das belezas que a natureza nos oferece.

Reconhecer seu ritmo e respeitar limites

É comum atualmente que as pessoas não dediquem um tempo para pensar em seu ritmo de vida e na intensidade das pressões que suportam em determinadas situações. Por isso,

  • não trabalhe mais do que seu corpo aguenta;
  • não durma menos do que seu organismo precisa;
  • alimente-se adequadamente em horários regulares e de forma saudável;
  • observe e respeite seus sentimentos;
  • Aja conscientemente toda vez que se sentir no dever de fazer algo mesmo contra sua vontade.

Cuidado com o excesso de culpas

Algumas pessoas alimentam culpas internas sem notarem a pressão terrível que exercem contra si mesmas. Esse sentimento é capaz de destruir as defesas de nosso organismo, tornando-o frágil e predisposto às doenças físicas e psíquicas. Veja quais são as culpas mais recorrentes:

  • escolha profissional;
  • onde e com quem morar;
  • opção religiosa;
  • orientação sexual;
  • relacionamentos difíceis e limitantes.

Orientações finais

A depressão pode e deve ser tratada de forma objetiva. Para isso, deve-se fazer o acompanhamento com um psiquiatra e respeitar à risca as orientações de dosagem dos medicamentos, posologia, período de retorno e exames, além de buscar ajuda com um psicoterapeuta.


Veja também
Você sabe a diferença entre tristeza e depressão?
O que é depressão?
Conheça as causas da depressão
Como tratar a depressão?